Tuesday, March 29, 2011

Coleiras para Crianças


Já toquei nesse assunto aqui antes, mas semana passada saiu um artigo super polêmico no blog Motherloade do NY Times.

Foi escrita uma matéria na revista Parenting sobre o absurdo - de acordo com a autora - de se colocar qualquer tipo de coleira em crianças. Traduzindo para o português, a coleira que eles falam aqui é aquela mochilinha de animal pelúcia que você coloca na criança e segura ela pelo "rabo" do bichinho. Não tem nada no pescoço ou parecido com uma coleira de cachorro.

Eu não só tenho um macaquinho super fofo dessas mochilinhas como já usei no aeroporto quando viajei sozinha com minha filha de 2 anos. Quem tem criança dessa idade sabe o quão ativos eles são. Bolsa, carrinho, bolsa de fralda, passaportes e crianças são muita coisa para se controlar sozinha ao mesmo tempo. Nessa idade, basta você abaixar os olhos para procurar algo na bolsa e "puft" eles somem.

Como eu já disse antes, vergonha para mim é perder filho. Não corro esse risco nem-a-pau! E quando nascer o segundo entao? Bebê de colo e outro querendo correr pelo aeroporto e você sozinha! Da-lhe mochilinha de coleira nela.

Mas vocês querem saber o pior de tudo isso na minha opinião? A falta de respeito com a escolha da forma de educar de cada mãe. Essa mania que uma enorme parte das mães têm de achar que o jeito delas não só é o melhor mais o único certo. Ficar julgando as outras mães.....fulana deixa o filho assistir muita tv, Ciclana deixa as crianças comerem bala, Beltrana veste a filha de mini-adulta.

Pode ser que eu não concorde com muita coisa que vejo por ai, inclusive amigas próximas, mas respeito o jeito de ser e a história de vida de cada uma que resultou em torná-las as mães que são hoje em dia.

O mesmo serve para quem quer ter filho com cesárea marcada ou não se sente bem em amamentar. Acho que as pessoas, de um modo geral, deveriam ser mais solidárias e aprenderem a respeitar as diferentes opiniões e pontos de vista.

E você? o que acha disso tudo?

33 comments:

Carol fajardo said...

Oi Paula, td bem??
Sempre leio seu blog mas nunca tinha me manifestado, mas o post de hj caiu como uma luva para mim!!
Nooossa, concordo muito com vc, temos que respeitar o jeito de cada mãe criar o seu filho, pq com certeza essa eh a melhor maneira possível para ela!!
Há quase um mês, meu filho Luca de 3 meses e meio se recusou a mamar no peito, ela já mamava o Nan como complemento, fiquei mal, preocupada com a saúde dele, de não receber mais meus anticorpos, coisas assim, mas o q foi mais horrível eh que me peguei pensando no q os outros iam pensar de mim, do tipo, que absurdo, tão pequeno e não mama mais no peito, que mãe despreocupada, relapsa...
Mas numa boa, logo que isso passou, me senti ao mesmo tempo, liberta, meu corpo a mim pertence novamente... Rs... E nada mudou entre nós 2, pelo contrário, só melhorou, ele mama melhor, esta dormindo melhor, sempre entre as mamadas e 10 horas por noite, tudo isso depois q passou só para mamadeira...
Por isso, tb sou meeeeeega a favor da mochilinha coleira, apesar de ter só um bebe, tenho 2 sobrinhos e sei o perrengue que eh pra controlar os 3 ao mesmo tempo, seja no aeroporto, no shopping e o pior, numa loja de brinquedo!!! Rs...
Adoro tudo o q vc escreve, obrigada pelas dicas e ajudas!!
Bjnhosss
Carol :)

Fernanda said...

Concordo 100%! Jah tinah comentado no sue outro post, que uma vez levei o tal do macaquinho pro Brasil proque o Andre era da pa virada e como vc disse eu piscava e ele tinaha sumido e resolvi colocar nele enquanto estavamos no shopping (ele devia ter uns 2 anos). Vc nao imagina FURIA das minhas amigas (que sao psicologas, claro), dizendo que virei americanizada, etc.
Eu ano to nem aih. O macaquinho estah no armario esperando uma oportunidade para ser reciclado com o Tomas, eu nao to nem aih pra que a psicologia, educadoras e julgadoras afins o digam (alias depois de ser mae eu podia rasgar os meus dois diplomas), melhor o macaquinho do que ficar sem filho.

Bjs.

Ingrid Souza said...

Concordo plenamente, minha avó dizia "Cada um tem o filho que cria" e é bem por ai, se uma mãe acha super normal botar coca-cola na mamadeira do filho dela, quem sou eu pra descordar, não faço com o meu, mas oque ela faz com o dela é PROBLEMA DELA! =)
Agora que sou mãe aprendi de vez a me calar diante das atitudes alheias, pq não quero que role comigo, não quero gente dando palpite e querendo me ensinar a criar meu filho, quando preciso de ajuda, conselho sou humilde o bastante pra pedir!

Já estou pensando que bixinho teremos na coleirinha haha!

Beijocas

Nine said...

Eu concordo muitíssimo com você! Acho que cada um sabe onde aperta seu calo. Eu tb DETESTO essa mania de meter o bedelho na vida alheia em tom de crítica nada construtiva (se é que alguma é). Num mundo onde a maioria não se julga intolerante nem preconceituosa chega a ser cômico a quantidade de posts crítica sem respeito que a gente vê por aí.

Sobre as mochilas, eu nunca usei, e acho que aqui no Brasil não deve ser muito comum, mas usaria sem problemas se houvesse necessidade em algum momento. Creio que não se trata de usar SEMPRE, mas de usar em caso de necessidade, como vc descreveu sua estada num aeroporto.
Crianças de 2 anos somem realmente num piscar de olhos. Dia desses numa loja, durante os poucos segundo em que eu parei para olhar o preço de uma jarra elétrica, minha filha que estava ali do lado foi parar quase na saída da loja, quase morri.
Beijos,
Nine
www.minhapequenaisis.blogspot.com
www.nafronteirasul.blogspot.com

Angi said...

Oi,concordo temos que respeitar o jeito de cada mãe. E eu também tenho essa mochila de macaco, o Antônio ainda é bebê, mas vou usá-la sim, quando sentir necessidade, em ambientes muito cheios, vou usar, e não me importo com o que os outros possam falar, ou pensar. Eu prefiro não perder meu filho, me lembro de ter me perdido em parques, e shopings quando pequena e é horrível!
bjs

Mrs. Goldsmith said...

Concordo! semana passada levei meu filho no aquario mal pude me divertir por que meu babyboy nao queria colo, colocava ele no chao ele corria ta todo lado e com muita gente eu tinha medo de deixar ele a vontade! andando por la! vi uma dessas mochilinha eu disse para meu marido nos precisamos uma dessas...mas nao tinhamos acabei alugando um carrinho por 5 dollas, e quando eu ver essas correntinha vou "comprar" sim! so quem tem uma crianca de 20 meses sabe do drama!!!! eles querem ficar livres, nao tem medo de nada pelo o menos o meu ja experimetei deixa-lo livre so para ver se ele sentiria medo quando se afasta-se muito, mas ele foi embora sem olhar para traz ainda bem que eu estava de olho nele!

Mamãe Livia said...

Paula, concordo em gênero, número e grau! Eu confesso que também achava um absurdo o uso dessas mochilinhas, mas mudei de opinião há algum tempo e a minha baixinha tem uma de borboletinha, que uso sempre que estou sozinha com ela e preciso resolver mil-e-uma coisas. Também sou partidária do pensamento "não to nem aí pro que os outros vão pensar, o que importa é não perder minha baixinha de vista em momento algum". Esse foi um dos paradigmas que eu quebrei quando mudei pra Austrália. Até fiz um post exatamente sobre essas mochilinhas lá no meu blog já faz um tempo. Depois dá uma olhada lá. Beijos, Livia
viagensdeumamaedeprimeiraviagem.blogspot.com

Greice Kölln Vipych said...

Concordo plenamente...ainda não sou mãe, mas já participei desse processo todo e sei quão difícil é a correria e conseguir ficar de olho o tempo todo nos pequenos..confesso que é uma idéia diferente, que leva um tempo pra se acostumar, mas não acho absurdo pra ser usado em ocasiões como as de aeroporto e tal...

beijinhos

piscardeolhos said...

vergonha é roubar e não ter como carregar, já dizia o poeta.
a mochila é prática, ajuda a evitar desastres (não gosto nem de pensar nisso) e quem não quiser, que não use, pô!
oras.
eu já usei e, se tiver que andar no meio da galera, sozinha, num aeroporto, festival etc - uso de novo.
beijo na barrigota!

Monica Ieker said...

Adorei seu post. A falta de respeito na forma de educar é o que mais me tira do sério.
Vou repassar este recadinho para as mamães críticas de plantão.
Bj

Mãe de Duas said...

Paula, muito bom você ter tocado nesse assunto! Ótimo post!
Semana retrasada a FolhaSP fez uma matéria sobre a "coleira" infantil também (coincidêincia? hahaha!) e virou polêmica na mothersfera brasileira. Fiz um comentário num desses blogs muy maternos sobre minha posição moderada em relação ao assunto (tipo, usaria para ir no supermercado sozinha com minhas duas filhas) e recebi uma resposta que tinha as palavras "maternidade preguiçosa".
Pena mesmo que tem gente que não está aberta ao debate e ao respeito.
Bj
Priscilla

Maya Segers said...

Olá, ate que enfim uma blogueira que pensa como eu a respeito das coleiras tbm acho que não existe problemas, que vc não está tratando seu filho como animal e nem sendo negligente a respeito de dar a mao e carinho para o seu filho ... ate outro dia nao pensava nessas coisas assim, agora que descobri minha gravidez e estou super feliz, mas estou com varias duvidas uma delas é o parto, tenho a minha opnião acho que cesaria só se for necessario a intervenção medica, remedios, anestesias coisas que podem prejudicar só se for necessario afinal é uma cirurgia mas essa é minha opnião e respeito que acha que deve fazer maso ideal éque todas as mulheres se informe dos procedimentos e riscos.Ate porque qualquer procedimento tem que ser feitos por pessoas especializadas e boas no que fazem.
beijos

Paty said...

Saiu também uma matéria no Brasil onde criticaram. Mas eu TENHO uso e nao dispenso! Prefiro isto a ter minha filha correndo para a rua e ser atropelada, ou entao perde la. Estou com você. Podem falar o que for... Tenho a mochilinha da Minie e ela AMA!!!! bjs

Camila said...

Clap! Clap! Clap! Sou tua fã. Leio sempre e comento raramente, mas esse não poderia passar em branco. Tô quase comprando 3 coleirinhas dessas. Tenho 3 filhos q não usam mais carrinho e mtas vezes fico na dependência de companhia para sair com os 3, já q morro de medo de perder algum e isso sim é vergonha, como vc mesmo falou. Amei cada palavra do seu post!
Bjos,
Camila
www.mamaetaocupada.blogspot.com

Debora said...

Acho que as pessoas deviam relaxar, cuidar das próprias vidas e parar de dar pitaco na vida alheia :)
Como tudo na vida, se não houver moderação, descamba. Pra mim, o uso da "coleira" depende muito da personalidade da criança e do ambiente em que vc está. Sou a favor de restringir fisicamente a criança em determinados contextos, mas tb acho que os pais tem q ensinar a criança a saber exercitar sua liberdade de "ir e vir", e a obedecer quando falam "vem aqui". Meu baby ainda nem engatinha, mas com certeza vou comprar essa mochilinha, principalmente pra aeroportos e aglomerações.

Mamãe Bebê said...

Oi Paula, seu post foi otimo em tudo... com sua colocação. Cada mãe sabe da sua necessidade e o melhor para seu fofucho, mas claro q idéias e dicas são sempre bem vindas... Já vi uma mãe no shop. em Santos/SP usando uma dessas e todo mundo olhando e rindo... a mãe não era daqui, parecia ser inglesa, achei essa situação muito constrangedora p/ essa mãe q estava zelando pelo seu filho numa cidade que ela não conhecia e no meio de um shop. lotado.
Condordo 100%. Vergonha é perder o filho! Por isso devemos zelar sim!!
Bjsss :)

Lia said...

Não vejo muita diferença entre segurar o filho pelo rabo da mochila ou pela mão.

KL said...

Olá! Eu acho que a foto do post mostra bem direitinho uma mãe segurando um cachorrinho. Entendo que a intenção é das melhores, mas acho que no momento que somos mães e pais temos que ficar de olho o tempo inteiro, e não simplesmente segurar a criança como um cachorrinho. Eu já viajei com a minha filha de 2 anos sozinha e não tive problemas.Eu acho que a questão não é a de estar tratando como um animal, mas o fato de estar segurando ele como se segura um cachorro que é um ser vivo irracional, tirando sua liberdade de ir e vir que como ser humano tem, mesmo sendo criança. Acho que tudo é negociável através de diálogo com a criança. Desculpem discordar de vcs, mas a minha opinião é esta.

N@nd@ said...

Eu concordo c vc, pois apesar de n gostar muito da idéia da mochilinha, n critico quem use, principalmente que tem mais de 1 filho pequeno. Tb acho melhor um mochila dessa do q perder um filho. Eu n uso, mas sou super atenta, pois a minha pequena é muito ativa, mas quero ensiná-la a me obedecer, por isso n quero a mochila. Já vi uma mãe com 2 crianças pequenas super ativas com a coleira, mas era de braço, e a mulher ainda era gorda, então acho q ficaria super difícil p ela sair correndo atrás de 2 crianças pelo shopping. Acho q respeitar um ao outro e o principal problema da humanidade, pq todo mundo critica todo mundo.

maria said...

Oi Paula,

Como disse uma leitora acima, eu nunca tinha me manisfetado no seu site, mas neste artigo voce realmente tocou em um ponto muito importante e forte para qualquer uma que for mae. Como mae e psicoterapeuta, acredito que e' um absurdo esta mania de descredibilizar os pais, julgar todo mundo e tentar fazer que todos criem seus filhos como se fosse uma receita de bolo. Cada um e' seu proprio especialista, se funciona para a familia, esta certo.
Parabens pelo artigo. Ps.: Eu tambem tenho uma mochilinha de macaco que e' uma graca...

mperri said...

Antes de mais nada, acho hilária a tradução de harness para coleira. Veja bem, coleira se coloca no colo, ou seja, no pescoço... uma mochilinha fica longe de uma coleira, né?
Depois que acho hilário as pessoas meterem o pau em quem usa a dita "coleira" no filho, como se fosse a coisa mais animalesca do universo... veja bem, é uma mochila, uma mochila em formato de macaquinho, com um rabinho, segura pelo rabinho, e daí??? Oras, pombas, quando minha filha anda pela rua, muitas vezes eu a seguro pelo colarinho da camisa na hora do aperto... qual é, me diga, a diferença? Ahhh, sim... o colarinho da camisa não a diverte, a mochilinha de rabinho ela vai curtir... então, qual é a dificuldade?
Acho que esse "medo", esse "terror" do uso dessas mochilinhas vem do fato de que tem mulher que, ao invés de mochilinha, anda com uma babá a tira-colo para segurar a mão do mais velho pelo shopping, pela rua, no aeroporto ou seja lá onde for. Eu não tenho a tal babá e, infelizmente, não tenho a mochilinha, então preciso mesmo é contar com o colarinho da camisa...rs... mas se alguma mãe que tenha ganho a "coleira' estiver muito revoltada com o artefato e quiser se desfazer dele, meu lixo está a serviço. Estou planejando um segundinho e um harness viria a calhar!

Mary said...

OLha que interessante..recebi um feed no facebook sobre o assunto,já tinha opinião formada sobre isso,mas resolvi dar uma olhada nas opiniões e dei de cara com seu blog,e uma postagem mais antiga..adorei sua frase:"vergonha é perder meu filho"..meu face está repleto de opiniões e resolvi postar a minha no meu blog..se quiser me visitar,tá convidada!

Kika said...

Ola Paula,

Parabéns pelo seu blog, ele é encantador, enriquecedor, e muitas vezes aquece nosso coração!
Sou uma mãe 2 meninos e 1 menina, amo viajar com eles e esse ano resolvi colocar minhas experiências em um blog, e lhe convido para conhecer.
http://noscincopelomundo.blogspot.com/
Um grande abraço,
Kika

Ana Valéria said...

Oi Paula,
A primeira vez que eu vi foi no Brasil e eu ainda não tinha filhos. Lembro que na época eu achei engraçado, não desaprovando totalmente, mas achando coisa de americano. Depois viajei para a Disney com uma amiga e seus dois pimpolhos e ela levou as coleiras que eram aquelas de mão. Realmente parecia uma coleira, mas foi essencial para o aeroporto. Um ano depois viajei com minha filha para a Disney e ela tinha 1 ano e meio, já andava tudo e estava querendo explorar tudo...correndo é claro. Comprei duas: a primeira de colocar no pulso...ela tirava e a segunda era de vestir, como um colete e foi excelente para ela e para nós.
Fico pensando em como somos criticos, e como muitas vezes é fácil criticar. Minha primeira filha eu não dei chupeta e sempre fui contra, mas agora com meu pequeno de 1 ano tive que aderir a chupeta, pois ele desde bebe colocava a mão e ficava chupado de marcar a mão. O unico jeito foi a chupeta. Agora estou morando nos Estados Unidos e comprei um andador, que também sou contra, mas foi o único jeito que achei de conseguir organizar a vida de casa. No Brasil sempre temos alguém que nos ajuda, ou uma creche, mas aqui fico com ele o dia todo até minha filha chegar da escola e o pai do trabalho. Assim o andador me dá uma ajuda quando tenho que fazer comida e etc...
Depois que temos filhos a visão muda.
bjs Ana Valéria
www.corujandoartes.blogspot.com

Kelly Resende said...

Oi Paula, concordo plenamente com vc, as pessoas tem uma mania terrível de julgar as outras, esse assunto maternidade então é um campo minado. rsss
Qto a "coleirinha", já vi uma pessoa usando e achei o máximo, se por aqui não fosse tão caro acho que compraria uma.
Abraços

Dani Loren said...

Oi Paula,

Eu super concordo com vc!!!

Estou indo para NY na semana que vem, vc sabe onde compro uma dessas, de preferência vou procurar a de macaquinho!!!

bjs
Dani Loren
www.blogdamaeexecutiva.com.br

FLIP FLOP said...

So tenho uma pergunta: Quando eh que vao inventar um desses "chips" que colocam em cachorros para eles nao se perderem, para criancas? Se existisse um "chip" para criancas eu colocaria nas minhas! Coleira nao eh nada...hahahahha.... Em fim cada um sabe o que faz para suas criancas. Pra mim coloco coleira sim e adoro porque posso ficar tranquila sabendo que meus filhos estao comigo...eles nao se perdem e nem se afastam muito de mim...FANTASTICO!

Pat in NYC said...

Comiga a mochila nao funcionou, como viajo muito. Eles aprenderam a abrir. Comprei um alarme que coloco no tenis e tocava o alarme cada vez que ele se afastava (no aeroporto) e falava que se ele fosse para longe da mamae, o bichinho reclama. Funcionou e hj nem preciso tocar o alarme...

Silvia said...

Paula, eu já tinha visto alguns posts sobre esse assunto, e o teu foi o primeiro que teve essa abordagem. Eu também acho pior perder o filho, embora nunca tenha usado esse tipo de mochila/coleira.

mperri said...

PAT... AMEI esse alarme!!!!!
Só que não adianta na rua, porque quando tocar a piruinha já estará no meio da rua...

Mariana Della Barba said...

NOssa, aqui no Brasil rolou essa polêmica também por causa de uma matéria da revista da Folha. Oi? Vergonha se "armar" pra não perder o filho? Fala sério. Eu já usei com o Theo inclusive uma primitiva, tio uma cordinha que prendia no pulso mesmo. E se elaguém conhecer criança de 2/3 anos que não sai correndo a todo o momento, me apresenta, pq eu nunca vi.
bjins

Mirys said...

Paula:

Conheci seu blog hoje e adorei as coisas que vocÊ escreve! Parabéns! Muito corajosa a sua postura!!!

Ainda não precisei dessas mochilinhas e confesso que me assustei quando vi umas pela rua. Mas... você e a Camila (do mm tá ocupada) estão começando a mudar minha ideia!...kkk

Afinal, é pra isso que existe a blogsfera, né?

Bjos e bençãos.
Mirys
www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com

K∂riиє* Smith. said...

Carol, super concordo com você.
Inclusive escrevi hoje um post sobre isso, ontem fui criticada porque minha filha de 2 anos ainda usa carrinho e fiquei revoltada.
Sou adepta da coleirinha e do bracelete (que vai mais longe a cordinha) fico muito mais tranquila, até pq as vezes minha sogra (que tem 70) leva a Chloe ao shopping, imagina se eu ia confiar sem esses artifícios?

Melhor previnir.

beijo

Related Posts with Thumbnails